23 de ago de 2007

Casa para um Casal


Premiações e participações:

- 2° Lugar - 1° Prêmio Masisa de Arquitetura 2006
- Participação na Bienal de Brasília 2006
- Participação na Bienal de São Paulo 2007
- 1º Lugar Prêmio Planeta Casa 2006 - Casa Cláudia


Situada em um terreno em declive acentuado, o partido estrutural escolhido permitiu que em seu sistema construtivo fossem utilizadas técnicas de alpinismo e montanhismo, como o uso de reduções de peso com cordas e polias, e fosse feita de maneira artesanal, com mão de obra reduzida e especializada, condições essenciais já que a pousada está contida em um dos maiores parques de aventura do país.A “Casa para um casal” faz parte de um conjunto de quatro casas construídas que compõem uma pousada em Campos do Jordão, inserida em uma área preservada de floresta de araucárias nativas.


Com o conceito orgânico de integração com o entorno, optou-se por deixar a casa com toda sua estrutura aparente, composta por pilares de eucalipto e vigas de muiracatiara, espécies que vem sendo reflorestadas de forma sustentável.



A cobertura é composta por telhas de fibra vegetal. Pares de cabos de aço 3/8” compõem o travamento treliçado, equilibrando as forças e permitindo um balanço de 3 metros em uma das extremidades da casa, deixando o volume que compõe a sala de estar à 10 metros do chão, na mesma cota das copas das araucárias. Cabos de 5/16” travam em “X” toda a estrutura horizontalmente, estabilizando e dando a elasticidade necessária para o movimento que irá sofrer em dias de vento.



Considerando o clima frio de Campos do Jordão, foram usadas placas de 15mm de OSB (oriented strand board) para o fechamento das paredes, formando um "sanduíche" com 5cm entre elas, proporcionando um melhor conforto e isolamento termo - acústico, além de possibilitar a passagem da fiação elétrica de forma simples e racional. Placas de 8mm foram usadas para o forro. Externamente, o OSB foi protegido com verniz Cetol especial, aumentando ainda mais sua durabilidade, impermeabilidade e valorizando sua textura original.


A escolha do sistema de construção seca com OSB foi feita pela facilidade e rapidez de montagem, sua resistência, sua leveza e sua textura visual, que deixa aparente o conceito orgânico e o partido ecológico do projeto, visando o mínimo impacto ambiental e a máxima integração com a natureza. O custo da obra foi reduzido em função do preço do material, da redução do tempo de construção, do sistema construtivo e da mão de obra.